revista-qmix-logo
Cirurgia Robótica

Cirurgia Robótica – o que é e como funciona?

Às vezes, os médicos precisam de ajuda durante a cirurgia, especialmente para operações que exigem movimentos menores e mais precisos. É aí que entra a cirurgia robótica. A cirurgia robótica ou assistida por robô permite que os médicos realizem procedimentos médicos complicados com mais precisão e controle.

O que é cirurgia robótica?

Os médicos geralmente o usam durante operações que precisam de pequenas incisões ou cortes (cirurgia minimamente invasiva). Mas também é usado na cirurgia tradicional.

A cirurgia robótica existe desde a década de 1970. A NASA patrocinou pela primeira vez um projeto para estudar a cirurgia assistida por robótica para astronautas e soldados que não podem chegar a cirurgiões humanos. Os pesquisadores também exploraram o uso desse tipo de cirurgia durante desastres naturais. Aqui está uma breve história da cirurgia assistida por robô:

  • 1985: PUMA 560 realizou a primeira cirurgia robótica, uma biópsia cerebral
  • 1988: Médicos usaram PROBOT durante cirurgia de próstata
  • 1992: ROBODOC auxiliou médicos durante uma operação na perna
  • década de 1990: Introdução do sistema de cirurgia robótica que a maioria dos médicos usa hoje

Como funciona a cirurgia robótica?

Os sistemas de cirurgia robótica usam braços mecânicos para realizar as operações. Uma câmera é acoplada a um braço, enquanto outros braços seguram pequenas ferramentas que o médico usa durante a cirurgia. O médico se senta em um console próximo onde controla os braços e pode ver o local da cirurgia em 3D de alta definição.

É como jogar um videogame, onde o médico usa um controle para comandar os movimentos dos braços mecânicos. Tenha em mente que seu médico está sempre no controle do robô. Ele só faz o que o cirurgião o instrui a fazer e não pode tomar decisões por conta própria. Os médicos precisam de treinamento para usar equipamentos de cirurgia robótica.

Quais condições a cirurgia robótica pode tratar?

Os médicos usam a cirurgia robótica para tratar uma ampla gama de problemas de saúde, incluindo:

Condições gastrointestinais, como doenças do:

  • Cólon
  • Direita
  • Fígado
  • Trato biliar
  • Vesícula biliar
  • Esôfago
  • Estômago
  • Pâncreas

Acalasia, ou dificuldade para engolir, também pode ser tratada com cirurgia robótica. Assim pode reparar a hérnia.

Problemas do trato geniturinário, como:

  • Prolapso pélvico
  • Miomas
  • Endometriose
  • Histerectomia
  • Sangramento uterino anormal
  • Problemas com a próstata, rim, glândulas supra-renais ou bexiga

Condições neurológicas, como:

  • Doença degenerativa do disco
  • Hérnia de disco
  • Escoliose
  • Estenose espinal

Questões envolvendo a cabeça e o pescoço, como:

  • Câncer
  • Apnéia do sono
  • Amidalite
  • Fissura laríngea
  • Remoção de tumor

A cirurgia robótica também pode tratar:

  • Obesidade, incluindo bypass gástrico e cirurgia de manga gástrica
  • Problemas cardíacos e pulmonares

Quais são os prós e contras da cirurgia robótica?

Em comparação com a cirurgia convencional, a cirurgia robótica é mais precisa e oferece aos médicos mais controle e amplitude de movimento. Braços robóticos podem girar 360 graus e alcançar áreas remotas do corpo humano. Antes da cirurgia robótica, algumas operações eram desafiadoras ou mesmo impossíveis de fazer. Com a visualização 3D, eles também podem ver o sítio cirúrgico com mais clareza, até mesmo estruturas microscópicas.

Outras vantagens da cirurgia robótica incluem:

  • Menos dor e sangramento
  • Menos problemas após a cirurgia, como infecção
  • Estadias hospitalares mais curtas (geralmente 1-2 noites)
  • Cura mais rápida (recuperação total em 6 semanas)
  • Retorno mais rápido às atividades diárias
  • Menos cicatrizes
  • Melhor qualidade de vida geral após a cirurgia

Como a cirurgia tradicional, há uma chance de infecção e outros problemas. A cirurgia robótica também é mais cara e leva mais tempo para configurar em comparação com as cirurgias típicas. Converse com seu médico sobre se a cirurgia robótica é adequada para sua condição de saúde.

Avanços em cirurgia robótica

Muitos hospitais nos EUA e na Europa agora usam cirurgia robótica para tratar um amplo espectro de condições médicas. Pelo menos 2.200 hospitais americanos compraram esse tipo de tecnologia. Pesquisadores e empresas continuam a fazer protótipos de cirurgia robótica menores e mais leves, juntamente com novos programas de treinamento para cirurgias mais seguras.

Treinamento em realidade aumentada e virtual

Antes de entrar na sala de cirurgia, os médicos podem usar a realidade virtual (RV) para praticar a cirurgia robótica. Um simulador de RV mostra uma visão 3D realista do que os médicos podem esperar durante as operações e os ajuda a planejar e realizar cirurgias específicas para seus pacientes antes de realizá-las.

Usando realidade aumentada (AR), os médicos podem colocar imagens de pacientes em tempo real em modelos 3D para destacar partes específicas do corpo e diferenças na anatomia. Em VR e AR, partes do corpo que são difíceis de ver com o olho humano tornam-se facilmente visíveis usando infravermelho e outras tecnologias.Avanços tecnológicosAo longo dos anos, os sistemas de cirurgia robótica tornaram-se mais simplificados e confortáveis ​​para os médicos usarem. E a tecnologia que alimenta esses sistemas continua a melhorar. Eles atualizaram recursos como tecnologia de infravermelho próximo e câmeras 3D aprimoradas, que fornecem visualizações que são ampliadas em 10 vezes.

Os médicos até realizaram cirurgias em alguém na Europa – enquanto nos EUA – usando uma conexão de fibra óptica de alta velocidade. Esse avanço pode um dia permitir que médicos na Terra ofereçam cuidados cirúrgicos a astronautas em missões espaciais. Os pesquisadores primeiro precisarão resolver problemas de transmissão de dados, atraso de sinal, gravidade e peso do equipamento.

Os pesquisadores também estão estudando cirurgias robóticas totalmente automatizadas, o que significa cirurgia sem a ajuda de humanos. Esse tipo de cirurgia envolve um sistema robótico autocontrolado e precisaria de algoritmos que entendessem automaticamente as etapas cirúrgicas, bem como o corpo humano.