revista-qmix-logo
fbpx

A arte de se posicionar: uma breve história dos boicotes

Ouvimos as pessoas dizerem: “é uma questão de tomar uma posição” quando falam em boicotar indivíduos ou entidades ao longo da história. A recente invasão da Rússia na Ucrânia tem muitas pessoas perguntando, a cultura do cancelamento é realmente eficaz? Depois de um pouco de pesquisa sobre a história dos boicotes, parece que sim.

Nos últimos 250 anos, desde o Boston Tea Party até a recente guerra envolvendo os dois países do Leste Europeu, a imposição de sanções parece ser o caminho a seguir. No momento em que este artigo foi escrito, muitas marcas de renome já fecharam lojas e pontos de venda em Moscou e São Petersburgo. Alguns deles são LVMH, Apple, Uniqlo e muitos outros.

O primeiro boicote

O termo boicote foi usado pela primeira vez em 1880 como uma ferramenta para mostrar dissidência, embora o ato tenha começado um século antes. Em 1773, o Boston Tea Party foi considerado um dos primeiros atos de boicote. Os manifestantes despejaram 342 caixas de chá importado no porto de Boston para mostrar seu desgosto com os impostos britânicos injustos sobre as colônias americanas.

Seguiu-se uma série de boicotes

O movimento de produção livre aconteceu depois de alguns anos. Foi um boicote britânico e americano a produtos feitos com trabalho escravo. David Feldman, editor do livro Boycotts Past and Present, descreveu esses boicotes como “expressivos e instrumentais.” Ele afirma que esses atos visavam obter concessões, bem como constituir uma identidade política.

A palavra foi cunhada após o agente de terras inglês, Capt Charles Boycott, que era um alvo de boicote na época. Uma depressão global na década de 1880 fez com que os inquilinos irlandeses buscassem reduções nos aluguéis para os proprietários de terras ingleses. Eles também buscavam o fim dos despejos para aqueles que não podiam pagar seus aluguéis. Charles Stewart Parnell, presidente da Irish Land League, pediu aos apoiadores que evitassem aqueles que lucram com os despejos. Ele os exortou a fazer isso, isolando-os do resto do país. É semelhante ao que fazem com os leprosos.

Apesar disso, Boicote despejou 11 de seus inquilinos que não podiam pagar o aluguel. Ele escreveu ao Times sobre o motivo absurdo de sua lavadeira ter sido obrigada a parar de lavar para ele. Ao falar com um jornalista americano, o padre John O’Malley perguntou: “Como seria chamá-lo para boicotá-lo?” O nome pegou e, depois de dois anos, a palavra boicote foi adicionada aos dicionários, e seu uso se espalhou rapidamente na Europa.

Funciona nos dois sentidos

Enquanto vemos boicotes na história como uma forma de pessoas comuns mostrarem sua oposição, principalmente contra uma política ou governo opressivo, também pode funcionar de outra maneira. Um excelente exemplo disso foi quando a extrema direita nos EUA boicotou empresas que haviam demonstrado apoio ao movimento Black Lives Matter. E esta não foi a primeira vez. Na Alemanha nazista, muitas pessoas foram instadas a boicotar os negócios judaicos. Esta foi claramente uma manifestação de ódio que terminou em um genocídio que o mundo não quer ver novamente.

E mais boicotes

Em 1959, houve um boicote às batatas produzidas em trabalho análogo ao escravo na pequena cidade agrícola de Bethal, na África do Sul. Os produtos sul-africanos foram rejeitados até a libertação de Nelson Mandela da prisão em 1990. O movimento anti-apartheid nos fez pensar na prática como uma prática de clareza moral irrepreensível.

Rússia e as sanções

Podemos considerar as sanções governamentais uma espécie de boicote, como podemos ver na guerra na Rússia e na Ucrânia. Vemos supermercados britânicos abandonando produtos russos, Netflix parando a produção de dramas produzidos na Rússia, e muito mais. Além disso, todos sabemos que um boicote é uma faca de dois gumes, prejudicando as grandes empresas e principalmente as pessoas comuns.

O post The Art of Making a Stand: A Short History of Boycotts apareceu primeiro em Owner’s Magazine.